Jornal Pires Rural - 10 anos de fatos

domingo, 8 de novembro de 2015

Fórum debate com a população soluções para o Meio Ambiente e o uso dos recursos hídricos




Intitulado “Limeira: água preservada, futuro garantido – Fórum Ecológico de Integração Intermunicipal” aconteceu no Teatro Vitória dia 5 de setembro. É uma contribuição do município na busca de nova consciência ambiental. O evento reuniu especialistas num convite à reflexão sobre o uso dos nossos recursos hídricos chamando a atenção para os cuidados que devemos tomar com o patrimônio aquático do Brasil e do planeta. Também compareceram representantes de ONG´s, o presidente da Câmara Municipal, Eliseu Daniel, o diretor do Ciesp-Fiesp de Limeira, José Luiz Batistella, e empresários, jornalistas, estudantes universitários, estudantes do ensino médio de Limeira e de municípios da região. Cerca de 300 pessoas estiveram presentes.
A apresentação esteve a cargo da jornalista Amanda Apple, da TV Globo.

Tendo como objetivo ampliar alertas que começam a indicar sinais de gravidade na utilização do patrimônio aqüífero, como rios, lagos, lagoas e foco dirigido para a educação ambiental, o fórum foi idealizado pelo prefeito Silvio Félix, e organizado em conjunto com a concessionária Águas de Limeira.

Desafios Diários
Primeiro palestrante, o prefeito Silvio Félix agradeceu a presença de todos e citou alguns projetos realizados pelo seu governo. “O papel que o poder público tem em se tornar responsável por um planejamento público da cidade, água, aterro sanitário, proteção de nascentes, tratamento de esgoto, não dá mais para as prefeituras, governo estadual e governo federal quebrar a cara com esses assuntos. É preciso que haja empresas que prestem esse serviço e consorciar o papel da iniciativa privada com o do poder público”, disse Felix.
Mostrando responsabilidade pelo cargo que desempenha o prefeito citou também que “a Prefeitura não tem concorrentes, isso faz com que a gente não se encontre. É preciso que tenhamos desafios próprios e diários, porque tudo avança numa velocidade muito grande, e se não andarmos no ritmo, vamos cometer dois erros: primeiro o pecado de nosso despreparo e o segundo erro de não propiciar situações para o desenvolvimento das empresas e dos habitantes” e, entre os projetos de seu governo falou que “Limeira pode se orgulhar, pois está proibida qualquer queimada de cana. Brevemente será criada a Secretaria de Meio Ambiente separada da Agricultura. Temos a construção de três parques urbanos para a população (no Jardim do Lago, no Parque das Nações e na região da Hípica). A idéia implantada para Limeira é a urbanização com equilíbrio: plantio de árvores, podas e limpeza para que a população respeite. Outro ponto é a recuperação do Riberão Tatu, que parecia impossível para a população e exigia uma série de medidas custosas. Nas mudanças que fizemos o Ribeirão já deu boa aparência para a cidade e o nosso projeto termina em 2010 com 100% de captação e 100% de tratamento do esgoto lançado no ribeirão, além das ações no ribeirão do Pinhal com recursos financeiros do município e do FEHIDRO para que a cidade não tenha falta d´água”, salientou Silvio Felix.

Qualidade da Água
O segundo palestrante foi o diretor-presidente da Águas de Limeira, Fernando Mangabeira Albernaz, que abordou a estrutura da concessionária e as diversas obras já realizadas e ainda as obras em andamento. A Águas de Limeira foi a primeira empresa privada a operar os serviços públicos de saneamento básico, água e esgoto.  Há 12 anos, a concessionária mantém o sério compromisso pela gestão dos serviços de captação, produção e fornecimento de água tratada, além de coleta, afastamento e tratamento de esgoto e disposição final de lodos.
A Águas de Limeira mudou a realidade do saneamento básico em toda a cidade, com 92% de aprovação da população, mantendo números significativos: 100% da população abastecida nas 24 horas do dia, 16% de perdas nas redes de água e ainda 100% de coleta e afastamento de esgotos, sendo 75% destes já tratados. Preocupada com o uso racional da água e a formação de cidadãos conscientes, Águas de Limeira se alia a este importante evento. Segundo o seu o diretor-presidente, “temos que pensar não apenas em ter água em abundância, mas principalmente precisamos nos preocupar com a qualidade da água”, afirmou Albernaz.

Reflexão de Especialistas
Outros dois palestrantes, o professor Doutor José Galizia Tundise, pesquisador do Instituto Internacional de Ecologia de São Carlos, respeitado cientista brasileiro na questão hídrica e o jornalista da área de meio ambiente Randau Marques, concederam entrevista gravada exclusivamente pelo Jornal Pires Rural.
Para o professor Doutor José Galizia Tundise a trilha do caminho das instituições no âmbito ambiental tem tomado certa relevância, hoje em dia, pela percepção do setor público e privado ter percebido que é fundamental manter as bases de recursos naturais preservadas, tanto regional quanto do planeta. “Isso garante a sobrevivência da biodiversidade e o desenvolvimento socioeconômico do local”, disse. Tundise salientou que existe um ”vácuo” entre as ações a serem tomadas por parte de todos, e “existe uma falta de capacidade de execução, devido à complexidade dos problemas ambientais. É difícil transportar o que é objetivo, o que é visão de um ambiente mais equilibrado com os mecanismos de proteção, observação e recuperação das bacias hidrográficas”. Mas Tundise garante que para o êxito de uma ação, tem de haver a participação ativa na gestão dos processos por parte da população conjuntamente com o poder público e privado.
“Nos eventos que eu participo e na experiência que tenho de usar adequadamente os recursos naturais, dar condições para que a sociedade se organize e participe das ações de recuperação, observação e manutenção de sistemas ecológicos tem se mostrado uma saída àquele desenvolvimento a qualquer preço, desenfreado, comprometendo a falta de sustentabilidade”, acrescentou.


Disse também que desenvolvimento, hoje em dia, está integrado ao sistema ambiental, margem de recursos naturais, capacidade dos poderes público e privado em entender como funciona o sistema e sua total importância. Citou que em nosso país, por ter um passivo muito grande, já existem algumas regiões com uma percepção ambiental e a organização da comunidade vai aos poucos se consolidando.
Sobre a questão de nossos recursos hídricos, afirmou ser verdadeiro o relato de que o Brasil detém 12 % de água do planeta, mas ela está mal distribuída. “Há muito mais água na região amazônica do que no centro e no estado de SP. Portanto, em algumas regiões corre-se o risco da escassez. É preciso dar condições para conservar, preservar e até recuperar sistemas aquáticos que estão contaminados e não provêm água de qualidade para abastecimento público e de outras atividades”, comentou. O pesquisador falou que todo o problema da água está entre demanda e disponibilidade. Em nossa região há uma média de 1200 mm por ano de chuva, isso é bem pouco, pois, para controlar a demanda, evitando o esgotamento, são feitas as campanhas para economia no uso da água, caso contrário, ela só estará disponível no próximo ciclo hidrológico. “O Brasil ainda não chegou num colapso de abastecimento, ainda estamos em tempo de evitar isso, na realidade vai depender muito das ações a serem realizadas. A população deve participar mais de perto como nos Comitês de Bacias com propostas e sugestões através do plano de gestão impulsionadas pelas Câmaras Técnicas como as de Saneamento, Planejamento, Saúde Ambiental ou Educação Ambiental. É preciso formar um banco de dados no município para que isso gere informações fundamentais para a gestão dos recursos ambiental e hídricos da bacia. E, o outro ponto é a criação de incentivos fiscais para aqueles que reduzam o uso da água e a emissão de poluentes”, ensina Tundise. Ele explica que uma das ações tomadas no trabalho do Instituto Internacional de Ecologia foi implantar em Bocaina/SP o IPTU ecológico e as Fazendas d´Água. No caso do IPTU ecológico os bairros promovem atividades em relação ao meio ambiente, que são analisadas pelo Condema e no final do ano o bairro que obter mais pontos recebe bônus entre 5% e 10% para abatimento do IPTU. Nas Fazendas d´Água
os produtores são incentivados a conservar o local onde passa água para abastecimento da população evitando o plantio dessas áreas e recebendo incentivos como diminuição de impostos.

Randau Marques, jornalista experiente na área ambiental, que na década de 60 já produzia textos de cunho ecológico, também esteve presente ao evento e nos relatou o seu ponto de vista para a proteção do meio ambiente. Leia a seguir entrevista na integra;

Jornal Pires Rural: Qual era a reação das pessoas na época das primeiras reportagens?
Randau Marques: Briguei muito com os representantes da Ciesp-Fiesp, porque eles não admitiam o controle da poluição e a conservação ambiental. Hoje, isso faz parte da cartilha de todo empresário que vise lucro e não desperdício.

Jornal Pires Rural: Relatar esses assuntos, na época foi uma causa pessoal?
Randau Marques: Foi. Naquela época fui preso político por abordar essa questão. Havia denunciado contaminação com cromo, curtume, chumbo e mercúrio como catalisador na mineração de ouro. Isso não foi visto com bons olhos pelos Militares e me levaram preso. Quando saí, não tive dúvidas, resolvi que iria continuar mexendo com essa área altamente subversiva e estou até hoje.

Jornal Pires Rural: Existiu denúncias de exploração industrial?
Randau Marques: Sim. Exposição de trabalhadores a produtos tóxicos, etc. Hoje mudou muito o panorama. O principal interessado na questão ambiental, para evitar as “salva-guardas” alfandegárias é o setor industrial. Como exemplo o álcool brasileiro; quando exportado ele pode estar sendo depreciado devido às queimadas, então, é de extremo interesse dos usineiros dar fim a essas queimadas.

Jornal Pires Rural: Em sua opinião, os empresários querem sempre ser aceitos como “ecologicamente corretos”?
Randau Marques: Nem sempre. Existem empresas que são da velha escola, “o que importa é lucrar a qualquer preço”.

Jornal Pires Rural: Acredita que isso pode mudar?
Randau Marques: Sim isso é uma questão de vida ou morte das empresas. A escassez é que levou o petróleo ser mitificado da forma que é. Ninguém lava o quintal com petróleo, ninguém desperdiça, usa racionalmente. A água já chegou ao ponto de escassez, seu preço para o consumidor a transforma em uma commoditie. Você vai pensar duas vezes em gastar 15 ou 30 min. no banho? Lavar o quintal esbanjando ou fazer reuso? Haverá uma briga muito grande contra o governo porque ninguém vai admitir que os rios sejam envenenados da forma que vem sendo hoje. A questão ambiental veio para ficar.

Jornal Pires Rural: A proteção à natureza é um fator econômico?
Randau Marques: Não só isso, é uma questão de saúde pública. O verde não é protegido por causa de sua cor, dos pássaros, das borboletas, é uma relação custo – beneficio. A proteção se dá por conta da sanidade dos alimentos, porque se vier uma praga e o antídoto estiver na biodiversidade, o preço dos alimentos se tornará proibitivo para todo mundo. O combate às queimadas não é apenas pela estética das ruas, mas por conta dos hidrocarbonetos poli-aromáticos que são altamente cancerogênicos. A prioridade que tem que se dar é na questão da saúde pública.

Jornal Pires Rural: De que forma a população, além de eventos como esse, pode se manifestar?
Randau Marques: não permitindo as coisas. O prefeito certamente eliminou as queimadas depois de ouvir a população e constatar que seria uma medida altamente simpática. A população tem que saber que a questão ambiental é fundamentalmente uma questão de saúde pública. Apoiar os órgãos ambientais mesmo parecendo uma morosidade em apurar os fatos, os laboratórios demorarem a processar resultados, mas não se trata de má vontade. O exemplo está na CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) ser uma estrutura impar entre a que nós possuímos no estado de São Paulo. A legislação básica de controle (Lei 997 e 8468) são indicadores de saúde pública e são os critérios que a CETESB se baseia. Não existe a CETESB em âmbito nacional, não existe controle da poluição ambiental no Brasil, essa é a minha briga pela criação de um órgão de estrutura no governo federal. Isso deveria ter um salva-guarda da população.

Jornal Pires Rural: Como devemos agir para seguir na bandeira de preservação ecológica?
Randau Marques: Sobretudo é se engajar. O que necessitamos é que seja respeitada nossa legislação ambiental. É convencer as pessoas que existe uma relação custo - benefício em tratar a água, o ar e os efluentes. É focar economicamente voltado para a saúde pública como base de tudo. As empresas também deveriam pensar assim porque o que elas descartam como poluentes são matérias-primas. Segundo, elas têm que se tornar eficientes no mercado de hoje senão, estarão na beira da falência.


O Fórum Ecológico de Integração Intermunicipal de Limeira foi encerrado com a participação da Camerata da Orquestra Sinfônica de Limeira.



Matéria publicada originalmente na edição 48 Jornal Pires Rural, 15/08/2007-www.dospires.com.br]
Em comemoração aos 10 anos do início do Jornal dos Pires, logo acrescentado o Rural, tonando-se Jornal Pires Rural, estaremos revendo algumas das matérias que marcaram essa década de publicações, onde conquistamos a credibilidade, respeito e sinergia com nossos leitores e amigos. 
Quase sem querer iniciamos um trabalho pioneiro para a área rural de Limeira e região, fortalecendo e valorizando a vida no campo, que não é mais a mesma desde então…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Logo

Logo
Um Jornal a serviço da comunidade