Jornal Pires Rural - 10 anos de fatos

domingo, 5 de junho de 2016

A EDUCAÇÃO NA ZONA RURAL E A AGRICULTURA:




No Brasil, as Constituições até 1891 não contemplavam a educação da zona rural. Este tema só foi tratado a partir de 1934, isto porque o Brasil foi considerado um país de origem eminentemente agrária. Evidencia-se aí o descaso dos dirigentes com a educação do campo.
A taxa de escolaridade da juventude urbana ainda é 50% maior do que a da rural. Hoje, no Brasil, dos jovens que vivem no campo, a taxa de analfabetismo entre 15 e 29 anos chega a 9%. A maioria deles é homem e possui renda per capta abaixo de meio salário mínimo. Na cidade, o índice de analfabetos nessa faixa etária é bem menor: 2%. A diferença também está no tempo que esses jovens passam na escola. Enquanto na cidade homens e mulheres estudam, em média, 8,7 anos, no campo esse tempo cai para 6 anos.
Se a situação do ensino da zona rural melhorou nos últimos dez anos, mesmo assim, ainda não é a mais adequada. Muitos estudantes do ensino médio ainda precisam se deslocar até a cidade para assistir às aulas, fator que não só tem desestimulado os jovens como contribuído para o êxodo rural. A escola no meio urbano certamente não está preparada para este aluno; vai ter conteúdo voltado para a situação da cidade e não do campo.
Mas não são apenas as poucas escolas na zona rural que limitam o acesso dos jovens do campo à educação. Transportes precários e falta de infra-estrutura também dificultam a vida de quem quer aprender.
É preciso que se preserve os saberes do campo, que são fundamentais para que a própria família entenda e veja naquilo, naquela estrutura escolar, uma coisa poderosa para ajudar na sua vida.
Temos enormes potencialidades produtivas, tanto na agricultura como na pecuária; se soubéssemos explorá-las racionalmente, elas nos permitiriam gerar as riquezas que tanto necessitamos para reduzir a  pobreza  rural e também para solucionar  vários dos  nossos grandes problemas nacionais.
Dispomos de tecnologias e experiências bem-sucedidas que são necessários para fazer uma muito eficiente produção, transformação e comercialização de produtos agropecuários. Infelizmente tais conhecimentos estão sendo adotados apenas por uma minoria de produtores rurais mais eficientes. Tal exclusão é solucionável porque muitas das mencionadas tecnologias e experiências são de baixo custo e fácil adoção; e graças a essas características, poderiam e deveriam estar beneficiando todos os produtores rurais do país. Temos à nossa disposição quase todos os requisitos necessários para fazer uma agricultura que, ao ser muito mais eficiente e mais produtiva, poderia gerar as riquezas que tanto necessitamos. Mas a maioria dos nossos agricultores não possui as competências necessárias para corrigir as suas próprias ineficiências produtivas, gerenciais e comerciais, pois lhes faltam conhecimentos, habilidades, atitudes e até valores orientados ao empreendedorismo e ao autodesenvolvimento. E é principalmente por esta razão que muitos deles são tão dependentes do paternalismo estatal porque os conhecimentos que os seus pais lhes transmitiram já estão desatualizados e são insuficientes para que eles possam sobreviver economicamente na agricultura moderna e globalizada; porque as escolas fundamentais rurais, que normalmente são a única oportunidade de aprender algo útil para a vida e o trabalho no campo, ensinam às crianças muitos conteúdos irrelevantes que em pouco ou nada contribuem a que eles se tornem produtores, administradores das suas propriedades e comercializadores das suas colheitas; porque os serviços estatais de extensão rural estão contaminados pelas interferências político-partidárias, burocratizados e excessivamente centralizados; porque, com poucas exceções de louváveis iniciativas inovadoras, as faculdades de ciências agrárias estão excessivamente urbanizadas e desconectadas da realidade concreta dos produtores rurais e dos potenciais empregadores dos seus egressos, com uma formação divorciada das necessidades dos agricultores e dos empregadores. O desemprego nesta área existe não necessariamente porque a demanda é insuficiente e sim porque a oferta das faculdades é inadequada às reais necessidades dos demandantes do mundo moderno.
Corrigir as distorções e ineficiências deve ser a grande prioridade. Enquanto não introduzirmos as modificações necessárias no nosso sistema de educação rural, todos os grandes projetos de combate à pobreza rural continuarão fracassando e os gigantescos recursos neles aplicados continuarão sendo desperdiçados, pela razão de que os afetados pela pobreza rural não podem solucionar os seus problemas muitíssimo mais devido à inadequação e insuficiência de seus conhecimentos que à suposta insuficiência dos seus recursos materiais e financeiros.


Matéria publicada originalmente na edição 76 Jornal Pires Rural, 15/07/2009-www.dospires.com.br]
Em comemoração aos 10 anos do início do Jornal dos Pires, logo acrescentado o Rural, tonando-se Jornal Pires Rural, estaremos revendo algumas das matérias que marcaram essa década de publicações, onde conquistamos a credibilidade, respeito e sinergia com nossos leitores e amigos. Quase sem querer iniciamos um trabalho pioneiro para a área rural de Limeira e região, fortalecendo e valorizando a vida no campo, que não é mais a mesma desde então…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Logo

Logo
Um Jornal a serviço da comunidade